Home Fóruns Lacrimosa e notícias 2010 – Tilo – DarkSide por Gerda Lore

Este tópico contém resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  Lacrimaniacos Fã Clube 7 meses, 1 semana atrás.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #741

    Data: 06/Maio/2010
    Tradução: Karina B.Pinotti
    Fonte: DarkSide por:Gerda Lore

    Olá, Tilo! Meu nome é Daria e, em primeiro lugar, gostaria de agradecer por nos dar a oportunidade de conversar com você. Podemos imaginar o quão ocupado você é e agradecemos muito sua atenção.
    Tilo: Oh, isso é bom, ha-ha) não se incomode.

    Então, vamos para a minha primeira pergunta – é sobre sua turnê. Eu acho que você é um viajante experiente já que esteve em muitos países. Durante sua última turnê, você visitou algum lugar novo? Você encontrou algo notável lá, o que mais te impressionou? Ainda existem lugares na Terra que você deseja visitar?
    Tilo: Na verdade, sempre … enquanto se viaja, você sempre descobre algo em países que nunca conheceu, porque o que você aprende na escola ou o que vê na televisão é muitas vezes diferente do que você encontra quando chega ao país. Por exemplo, fiquei realmente espantado com a nossa última turnê quando chegamos ao Japão, comparando o Japão à China – quão diferentes são esses países. Eu não esperava que a diferença entre eles fosse tão grande – foi uma grande surpresa para mim. Por outro lado, fiquei bastante surpreso com as pessoas no Equador. Nós nunca tocamos lá antes e quando chegamos lá o aeroporto inteiro estava cheio de fãs e a administração fechou uma parte do aeroporto para nos tirar de lá. As pessoas nos deram uma recepção calorosa. Foi realmente incrível. Por isso, é sempre muito interessante visitar novos países. É claro que há muitos países que gostaria de ver em nossas próximas turnês, mas agora estou muito ansioso para visitar novas cidades na Rússia, porque nós nunca estivemos em Samara, Ekaterinburg, e eu estou procurando encaminhar o encontro com essas pessoas e ver as vistas dessas cidades.

    Você está absolutamente certo de que há muitas pessoas ansiosas para vê-lo nessas cidades russas, assim como os fãs no Equador. Você vai gostar de ir para lá
    Tilo: Sim, posso muito bem imaginar !!

    Lacrimosa é considerada uma banda suíça apenas porque seu selo está localizado na Suíça. Eu entendi certo? Por que esse país? E onde os membros da banda e os staffs vivem?
    Tilo: Ah, boa pergunta! Para mim foi muito importante estar no centro da Europa, porque, como você disse, eu gosto de viajar e preciso estar em todos os lugares no tempo e o mais rápido possível. E no centro da Europa, se eu me sentar ao volante, em cerca de oito horas eu posso chegar a Hamburgo, Alemanha (ao norte), ou ao sul da França, que pertence ao mesmo fuso horário – esse é o motivo de estar bem o meio do continente. E, claro, a Suíça é um país muito bonito, e esta é outra razão, na verdade.

    E onde os membros da banda e os staffs vivem?
    Tilo: Eu pessoalmente normalmente moro na Suíça; e os outros membros, nossos músicos ao vivo estão espalhados por aí … Anne é claro, normalmente na Finlândia; Manne e Jay P estão em Hamburgo; Dirk está na Suécia agora, e Yenz está normalmente na Dinamarca – então as pessoas estão espalhadas pela Europa.

    Por que você não gravou vídeos para as músicas de Sehnsucht? Você vai fazer? Quais músicas você escolherá?
    Tilo: Na verdade, a única e simples razão é … depois de gravar o novo álbum eu decidi isso sozinho e não tinha músicos ou quase nenhum músico no estúdio, nenhum produtor. Claro que leva muito mais tempo se você fizer tudo sozinho. E depois do lançamento do novo álbum, não houve mais tempo para filmar um vídeo. Conheço uma pequena colaboração com um videoartista do Chili que gravou um vídeo, que é uma espécie de vídeo oficial da música «Feuer», mas não aparecemos neste clipe, porque não tivemos tempo para filmar. Então, é uma espécie de pequeno presente para nossos fãs, mas não um vídeo oficial real como fizemos para os álbuns anteriores.

    Tilo, o encarte do último álbum diz que você mesmo dirigiu a orquestra, quando você aprendeu a conduzir? Foi difícil trabalhar com uma orquestra profissional?
    Tilo: Bem, meu aprendizado foi “aprender fazendo”, porque estou gravando com frequência… cerca de 12 ou 13 anos, estou gravando com orquestras profissionais e sempre tive a possibilidade de assistir aos regentes e ao que eles estão fazendo. Eu estava sempre passando as partes e partituras dos regentes e, portanto, é claro, aprendi a fazer o trabalho deles. E a dificuldade de gravar com uma orquestra é que as pessoas não estão acostumadas a gravar enquanto têm fones de ouvido. Eles estão acostumados a ouvir o som da orquestra – o som que ouvem de todos os outros músicos que os cercam. Assim que eles precisam de fones de ouvido, porque precisam ouvir o metrônomo, eles precisam que o outro instrumento saiba exatamente o que eles precisam tocar, isso é confuso, porque eles não estão acostumados a tocar com bateria, eles não são usados para tocar com guitarras … é como dirigir um ator, quando você precisa chamar a atenção e confiança dos músicos. Eles confiam 100% em você como um maestro, mesmo que eles não saibam o que eles estão fazendo exatamente e você os impedem se eles seguirem em uma direção errada. Então, o básico é conseguir sua confiança e, é claro, preparar tudo: ter notas 100% adequadas, prontas e corretamente escritas, porque senão você nem pode começar a trabalhar com uma orquestra.

    O que você pensa sobre: os músicos estavam satisfeitos com suas habilidades e orientação?
    Tilo: Ha-ha, sim, na verdade eles estavam, eles pelo menos disseram isso – o regente da orquestra disse isso. E eu acho que eles também ficaram muito felizes com o resultado, porque todos eles queriam ter um CD em sua coleção pessoal. Eu acho que eles ficaram satisfeitos.

    Algumas pessoas ouvem notas características da música francesa (French chanson) nos últimos 2 álbuns (por exemplo, «Mandira Nabula»). Eles ouviram certo? Ou é melhor que chequem os ouvidos? Você gosta de (French chanson)?
    Tilo: Claro, sim, mas não totalmente… quero dizer… você sabe, é o mesmo se alguém perguntar “Por que você não faz um álbum apenas com orquestra”? Você sabe, eu amo todos esses instrumentos, eu amo todos esses tipos de atmosferas, mas eu gosto de combiná-los com a minha música, com guitarras e bateria. Eu acho um fascínio a combinação de todas aquelas atmosferas e instrumentos e não apenas eles limpos. Eu não gostaria de gravar algo com apenas acordeom ou apenas nesse tipo de estilo francês, seja o que for … mas combiná-los com todas as guitarras é interessante para mim.

    Quando virá um novo DVD? Você tem algum plano em relação a um DVD?
    Tilo: Realmente não temos planos até agora, porque eu estava tão ocupado com o lançamento do álbum anterior; no qual nós ocupamos todo o nosso tempo. Agora estamos de volta e preparando o novo álbum Shattenspiel, que está será lançado logo. Depois disso, vou começar a preparar a próxima turnê, então não temos muito tempo para pensar em um projeto como um DVD no momento. No entanto, é claro, gostaria de fazer outro em breve e espero conseguir encontrar algo.

    Falando francamente, não é um grande problema, estamos prontos para esperar o quanto for necessário.
    Tilo: Huh, isso é bom!

    Tilo, você vai atuar como produtor de novas bandas? Existe alguma banda nova por aí que você goste e que possa competir com você? Talvez algumas bandas antigas?
    Tilo: Bem, eu não gosto de comparar bandas ou artistas, mas há muitas bandas hoje em dia que eu realmente gosto de ouvir – bandas como, por exemplo, Placebo ou Muse …

    Gosto perfeito, Tilo! Essas são bandas excelentes, assim como as suas) Elas sempre estiveram na minha lista de favoritas.
    Tilo: obrigado! E no final eu aprecio muito as bandas de rock gótico dos anos 80. Mas infelizmente eu não ouvi nenhuma banda que soasse como Lacrimosa e na verdade eu gostaria muito de ouvir uma banda que soasse como Lacrimosa, porque seria uma grande coisa para mim ouvir bandas que tocam músicas do Lacrimosa ou músicas muito parecidas com a minha – apenas para descobrir como outras pessoas interpretariam minha música. Por outro lado, há algumas bandas que disseram que se inspiraram no Lacrimosa como, por exemplo, Theatre of Tragedy e nesse meio de metal gótico … na verdade, eles confessaram que teriam feito música diferente se não tivessem conhecido Lacrimosa, e é claro que é um elogio muito bom vindo deles.

    Na sua opinião, existe algum futuro da cultura e na música gótica? Como seria: brilhante e feliz ou escuro e sem esperança?
    Tilo: (melancolicamente) Eu não sei porque no momento em que as pessoas não compram mais CDs, as bandas vão morrer. Quero dizer, aqui estão muitas bandas hoje em dia que não trazem mais CDs porque não podem pagar por isso. Há muitas bandas que não fazem mais novos álbuns, porque elas não podem mais pagar. Isso matará estilos musicais alternativos. Não haverá um futuro longo para a música gótica, vai ser uma mistura de grupos que já existiam até hoje e grupos mais comerciais que vem de fora da cena.

    Você pode surpreender os fãs com algum fato interessante da banda ou sua própria biografia? Algum segredo que você quer compartilhar com seus fãs?
    Tilo: Bem. Há algumas coisas sobre as músicas que lançamos agora em nosso novo álbum “Schattenspiel”, porque este álbum é sobre as músicas que fizemos nos últimos 20 anos, mas nunca foram lançadas. Por exemplo, quando eu escrevi uma música “Requiem”, que está em uma versão original neste álbum agora, achei que já seria o fim do Lacrimosa. Foi a segunda música que escrevi para o Lacrimosa e quando a terminei fiz tudo, escrevi tudo o que pude. Eu não sabia se alguma vez escreveria alguma coisa novamente. Na verdade, depois daquela segunda música, Lacrimosa, minha banda, já havia morrido em alguns dias. Mas algum tempo passou e eu retornei meu projeto de volta à vida escrevendo a música «Schuld Und Sühne» que, você sabe, eu nunca tinha lançado antes e que temos agora em nosso novo álbum Schatenspiel. É uma música muito eletrônica e foi uma ideia de reinventar o Lacrimosa em um novo estilo. E tudo aconteceu antes de eu ter meu primeiro álbum lançado. Eu acho que esse novo álbum é bem interessante, porque você pode ver quantas coisas diferentes eu tentei e fiz, mas nunca lancei e agora elas estão finalmente para serem vistas e no encarte eu vou escrever algumas notas pessoais sobre as músicas, o tipo de histórias que eu lhe contei agora, haverá um pouco mais sobre as músicas – porque eu as escrevi, porque eu nunca as lancei até agora. Então, haverá algumas histórias curtas sobre o Lacrimosa que ninguém conhecia até agora.

    Eu admiro suas habilidades nas previsões – porque a próxima pergunta deveria ser sobre o seu novo álbum). Então, vamos voltar ao tema da orquestra. Hoje as bandas costumam tocar com uma orquestra sinfônica. Eu quero dizer em shows ao vivo. Poderia isso acontecer com Lacrimosa e em quais condições? E, além disso, talvez seria útil para Lacrimosa usar alguns figurinos com atores no palco? Há muitas pessoas que não conhecem alemão e isso pode ajudá-las a entender sua mensagem lírica.
    Tilo: (reflexivamente) Eu não gostaria de… porque o ponto é que a música é algo leve, algo que tem que sair das emoções vivas. A maioria das bandas que tocam com a orquestra, seja em álbuns ou no palco, eles mesmos não escrevem as partes da orquestra. Eles sempre escrevem uma música e depois a entregam para uma gravadora e então a gravadora organiza alguém que escreve para equipe da orquestra. Depois de gravar, o selo da banda ouve e aprova. O mesmo acontece com o palco. A orquestra faz as partes para eles, eles fazem alguns ensaios e depois sobem ao palco. É exatamente assim que as orquestras executam seu trabalho. Para mim, o mais importante é o processo de criação de algo. Isso significa escrever para uma orquestra. É muito fascinante, muito importante para mim, eu nunca poderia deixar ninguém escrever partes da orquestra por mim. Agora, quando subo ao palco, quero trazer essa música que escrevi e que produzi no estúdio. Eu quero trazer isso à vida, quero compartilhar com as pessoas. E isso só é possível quando você faz show de rock ao vivo, se você pega uma orquestra no palco você tem que tocar exatamente o que você ensaiou, exatamente o que está escrito nas notas e nas partituras. Eu gostaria que uma orquestra saísse da música. A decisão é sua, se você vai subir ao palco para fazer uma peça de teatro, que é todas as noites exatamente igual, ou se você vai fazer um show ao vivo, se quiser ter uma comunicação com o público – e eu sempre decido pelo segundo. Eu quero ter um contato com o público, eu quero fazer um show ao vivo, e eu não quero fazer um show de teatro por apenas … você sabe, trazer as músicas exatas do álbum de estúdio para o palco, mas sem quaisquer emoções e sentimentos puros que surgem em todo esse momento. E quando você se apresenta de maneira tão ativa e honesta, quando tenta se comunicar com o público, não há necessidade de elementos adicionais, como atores ou algo assim.

    Quando você está escrevendo uma música, houve algum momento de crise, quando nada parece dar certo? Como você lutou contra a crise?
    Tilo: pergunta interessante! (risos) Na maior parte acaba por ser uma luta entre a música e eu. Você pode imaginar que, se você quer escrever uma música, quer expressar algo. E então você começa a escrever essa música e essa música ganha seu próprio caráter, sua própria vida. Isso vem ao ponto quando a música diz a você como ela quer continuar. Vai na direção certa e você percebe que está ficando fora de controle. Eu não posso mais controlar isso. E então é uma questão de perder a paciência. O que você queria colocar na música está mudando sem a sua permissão. A música fica mais forte e você faz o que ela te diz… Explicação muito simples: Estou planejando escrever uma parte da orquestra, mas a música diz “Não, eu quero um solo de guitarra”. Na verdade, em um solo de guitarra eu posso expressar o que eu queria expressar aqui, mesmo depois da linha lírica. Então eu tenho que decidir quem está certo: a música está certa de que está tudo bem e um solo de guitarra se encaixaria muito melhor, ou está mais certo o que eu tinha em mente na primeira vez – a expressão em uma parte da orquestra. Então, é sempre uma questão de saber o que é mais importante: a sensação de que você está agindo bem neste momento enquanto compõe, ou o plano que você tinha antes, o objetivo que você queria alcançar. Principalmente eu decido por essa mesma situação e digo: “Ok, se a música quer ser assim, então tem que ser” e raramente eu decido o que planejei primeiro e digo “Não, eu tenho que continuar o que eu, em princípio queria fazer”. E claro, se estou fazendo assim, a música não funciona no final. Por exemplo, no novo álbum «Schattenspiel», há uma música «Martiquor». Essa é exatamente uma música como essa. Quando tinha algo em mente e com todo o meu poder, queria seguir a ideia que eu tinha em mente. Mas a música acabou diferente e eu não tinha mais controle sobre isso. E então eu tive que chegar à decisão: eu sigo essa música ou luto pela ideia básica? O que eu finalmente fiz foi lutar pela ideia básica e não funcionou. Quer dizer, eu gosto de ouvir essa música, mas não deu certo, e essa é a razão pela qual eu nunca a lancei no álbum (anterior). É uma música muito interessante para ouvir, especialmente quando você conhece a história e a ouve de uma certa maneira. Eu não aproveitei essa música e isso acabou mal.

    Não é exagero dizer que Lacrimosa é a principal banda do estilo gothic metal. Suas músicas podem levar alguém a certas ações. Suas letras podem ser mal interpretadas. É uma espécie de responsabilidade e estresse, isso influencia o seu trabalho ou você apenas escreve o que gosta e não se importa?
    Tilo: Eu acho que é impossível entender algo errado, porque é apenas uma questão de interpretação e todo mundo é livre para interpretar a arte de maneira pessoal. E acho que a interpretação original do artista não é a única existente … voltando à primeira parte da questão. Na verdade, eu não me importo e não quero me importar. Porque, se eu sempre pensasse no que as pessoas esperariam de Lacrimosa, então eu estaria preso a isso. E eu faria Lacrimosa muito rápido para se tornar apenas escravo do público. E é claro que eu perderia meu interesse pela banda porque não conseguiria mais me expressar. Eu acho que a única razão para Lacrimosa foi sempre para eu expressar meus sentimentos através da minha música – da mesma forma, se as pessoas gostaram ou não. Quero dizer, no começo, quando comecei a trabalhar no Lacrimosa, muitas pessoas não gostaram do que eu fiz, porque era muito diferente. E quando comecei a trabalhar com uma orquestra em meados dos anos 90, as pessoas disseram: «Orquestra é música que nossos pais estão ouvindo. Por que você está fazendo isso, é realmente antiquado ”. Eu gosto da combinação, mas houve momentos em que todos disseram: “Você não pode ouvir Lacrimosa porque eles usam orquestra, é realmente antiquado”. Mais tarde, tornou-se uma tendência e agora ninguém se lembra de que as pessoas falavam dessa maneira sobre o Lacrimosa. Então, isso explica que é importante seguir o seu próprio caminho e não se importar com o que as outras pessoas dizem – se é bom ou ruim – da mesma forma, porque se você se importa, acaba se tornando escravo do que as outras pessoas dizem e não pode mais seguir seu próprio caminho.

    E você não tem medo de mostrar a todos o que está acontecendo dentro da sua alma em suas músicas?
    Tilo: Ha-ha-ha … bem … (hesitante) Sim, esse é o ponto. Quando eu comecei com o Lacrimosa, minha ideia básica era dar uma dimensão às minhas letras e eu não pensava em espalhar minha música pelo mundo. Naquela época eu só pensava em dar a fita ao DJ na discoteca local para tocar algumas músicas… Então, anos depois, o Lacrimosa ficou cada vez mais conhecido e percebi que pessoas de todo o mundo poderiam ver dentro da minha alma, dentro do meu coração. E claro que se tornou um problema às vezes para mim. E percebi como as pessoas se refletem nas minhas letras. Essas letras pessoais que escrevo dão-lhes a possibilidade de verem a sua própria alma. As pessoas podem agora saber algo sobre minha vida pessoal, mas é muito menor, comparando então ao que eu posso dar para as pessoas. Estou dando a eles uma oportunidade e força para fazer o mesmo com seu próprio coração e sua própria alma. Então, um dia eu decidi: “Eu não ligo, só faço e isso ajuda outras pessoas e é bom”.

    Uma das músicas mais brilhantes do último álbum é, sem dúvida, “Feuer”, onde você usou o coral infantil. Quando surgiu a ideia de convidar crianças? Durante a produção deste álbum, ou antes?
    Tilo: Não, na verdade, veio à minha mente depois de cantar o refrão. Eu já estava produzindo a música, como eu… principalmente quando componho eu já produzo ao mesmo tempo. Isso significa que se eu escrevo uma parte de guitarra, então eu imediatamente a toco, eu imediatamente gravo e então continuo compondo a música. Isso me dá a oportunidade de trabalhar com muita intimidade e me inspirar com o que já fiz na produção. Então a música meio que se reflete o tempo todo. Então, quero dizer que, quando eu tive a primeira parte da música pronta, uma noite depois de gravar o refrão eu escutei e percebi que não era forte o suficiente – poderia ser mais pesado! Eu não podia gritar mais, não posso usar mais guitarras, mas precisa ser mais pesado. E eu percebi… muitas vezes quando as pessoas discutem entre si e ninguém escuta mais ninguém, então vem um sussurro – muito calmo e muito quieto – e então toda a atmosfera muda e às vezes se torna ainda mais difícil, porque agora parece ser realmente verdadeiro. Isso me trouxe a ideia de que eu não poderia gritar ainda mais, mas eu posso trazer crianças, que são inocentes, puras e têm vozes altas – é mais quieto, mais sagrado – sim, a atmosfera faz a diferença na verdade, é ainda mais forte do que se eu – você sabe – gritar mais. Essa foi a ideia básica disso tudo.

    Então Lacrimosa vem a Moscou pela 5ª vez. A propósito, quando você mais gosta de Moscou: no verão ou no outono?
    Tilo: Bem, na verdade no verão. Há tantos lugares verdes em Moscou, e junto com a arquitetura rica e bonita da cidade parece fabuloso – o sol está brilhando, tudo parece – você sabe – brilhante. E esta atmosfera inesquecível de uma cidade enorme, que leva você – é um pouco como em Paris, eu tenho essa sensação … E você disse que é a primeira vez que estamos vindo. Na verdade, estamos vindo a cada ano, a primeira vez em 2005 e, desde então, todos os anos fazemos uma viagem à Rússia e é o único país em que estamos todos os anos – não na Alemanha, Suíça, América Latina ou Ásia. em nenhum lugar tocamos todos os anos – então a Rússia é realmente o único país em todo o mundo onde vamos todos os anos para tocar alguns shows e é uma boa tradição.

    Talvez um dia seus fãs russos lhe deem um apartamento, por exemplo, em Moscou, para que você possa nos agradar ainda mais com suas visitas)))
    Tilo: (rindo com aprovação) Ótima ideia !!

    Este ano completa 20 anos desde o lançamento do seu primeiro álbum. Nós achamos que, você está planejando celebrar isso de alguma forma? Você pode ser um pouco mais específico sobre o assunto?
    Tilo: sim. Por outro lado, celebramos dando concertos – não só na Rússia, também estamos fazendo mais concertos que serão antes da Rússia. Mas, por outro lado, achei que tocar apenas em shows não é muito justo para o resto das pessoas que não podem assistir aos shows, porque não podemos tocar em todos os países este ano. Essa foi a razão pela qual eu decidi lançar o novo álbum “Schattenspiel” – porque todos os anos as pessoas vinham até mim e perguntavam: “Por que você nunca lançou todas aquelas músicas que você gravou e nunca lançou?” naqueles 20 anos havia muitas músicas e deve haver uma razão pela qual eu nunca as liberei, porque as guardei. Então, eles me disseram, para seus fãs, será um bom presente. E então eu pensei: quando chegamos agora ao nosso 20º aniversário (e na verdade este aniversário só é possível por causa dos fãs, do apoio deles, porque eles são leais a nós), se nossos fãs estão tão ansiosos para conseguir essas músicas, então seria o melhor presente para este aniversário – dar-lhes as músicas. E essa é a razão pela qual eu decidi agora lançar “Schattenspiel”. Mas, claro, eu não queria lançar apenas o material antigo, então incluí 2 músicas que escrevi nas últimas duas semanas, na verdade, há meio mês atrás terminei e coloquei no álbum, conforme a sequência – «Sellador» e « «Ohne Dich Ist Alles Nichts».

    De fato, Tilo, você lembra exatamente quando a banda foi fundada – o dia em particular, por favor?
    Tilo: Bem … Na verdade, certamente haveria um dia especial para descobrir se eu quisesse. Mas eu não quero, porque… você sabe… claro que houve um certo momento quando escrevi a primeira fita, quando escrevi o nome Lacrimosa, mas na verdade a banda já começou quando gravei a primeira música – foi antes disso. Então não há realmente um único dia e eu não quero, você sabe, celebrar isso em apenas um dia especial, é mais como… Lacrimosa era mais uma ideia que veio à vida cada vez mais concreta dia após dia e, portanto,… definitivamente não foi um dia. Agora estamos prontos para lançar o novo álbum na primavera, no dia 7 de maio, e dizer: “Ok, esse é o dia em que nós e a comunidade Lacrimosa em 2010 podemos comemorar este dia – e esse será o dia do novo lançamento.

    Se você se lembra, tivemos uma breve conversa depois do seu show em Moscou em outubro, então você pode me dizer se algo mudou em sua vida durante esses meses?
    Tilo: Sim, minha vida mudou … praticamente desde aquela época. O ano passado foi cheio de surpresas para mim. Muitas coisas mudaram, muitas coisas aconteceram comigo – tipo coisas privadas, mas na verdade essas coisas são expressadas nessas duas novas músicas – ambos os lados do que aconteceu comigo estão nessas músicas, e uma delas – “Sellador” – com a letra, onde eu só canto apenas uma linha que significa algo como “Eu acho que há algo mais para ver e eu subo as escadas e eu não quero me virar …” E esta é a linha que eu canto todo o tempo através de toda a música e isso e nada mais … A outra música que é chamada “Ohne Dich Ist Alles Nichts” (nova música), que significa “Sem você tudo é nada” .Então elas refletem muito do que aconteceu nos últimos meses da minha vida.

    Obrigado. Não tenho mais perguntas, mas quero dizer que é sempre um grande prazer ouvir você, Tilo! Por favor, mais uma vez, aceite nossos parabéns pelo seu aniversário e envie nossos mais sinceros cumprimentos e cumprimentos à sua charmosa colega Anne e ao resto de seus músicos! Estamos todos esperando por vocês nos próximos shows na Rússia. Te vejo em breve!
    Tilo: Obrigado por esta conversa interessante, nós realmente não podemos esperar para visitar a Rússia novamente e conhecer todos vocês!

Visualizando 1 post (de 1 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.