Home Fóruns Lacrimosa e notícias 2008 – Tilo – Taipei Metal/ Joe Henley

Este tópico contém resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  Lacrimaniacos Fã Clube 1 mês atrás.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #532

    Data: 2008
    Tradução: Karina Pinotti
    Fonte: Taipei Metal Por: Joe Henley

    Lacrimosa: Esperança e renascimento
    Por: Joe Henley

    Todo líder de banda homem ou mulher provavelmente teve que lidar com diferentes graus de medo do palco em algum momento de sua carreira. Para alguns esse sentimento pode ser aliviado com uma ou duas bebidas alcoólicas, enquanto para outros o pensamente de enfrentar uma multidão de qualquer tamanho requer algo um pouco mais forte, o que pode envolver muitas idas ao banheiro para vomitar. Para Tilo Wolff líder de Lacrimosa a cura para antes do show de sua banda era uma garrafa de whiskey, um remédio muito comum na indústria do entretenimento. Mas não havia nada de comum no primeiro show de Lacrimosa.
    Quantas bandas fizeram a sua estreia diante de uma multidão de 15 mil pares de olhares fixos? Isso não é exatamente uma noite de canto aberto no dispensário local de bebidas. Então como foi Lacrimosa capaz de renunciar os anos de pagar suas dívidas? Não foi uma decisão tão consciente como foi a aversão de Tilo ás multidões que seguiam Lacrimosa que nos últimos 16 anos foi liderado por Wolff junto de sua colaboradora Anne Nurmi, que adiou o seu primeiro show até o lançamento de seu quarto álbum.

    “Por muitos anos as pessoas me ofereceram para subir ao palco e eu “não”,” Conta Wolff. “Então quando eu finalmente disse sim, foi em um festival na frente de 15 mil pessoas, e eu pensei… “Se eu for fazer isso, eu farei da maneira mais difícil”.’ Porque não teria como voltar atrás. Foi o único caminho para mim. Depois daquele concerto eu soube que eu sobrevivi; com uma garrafa de whiskey e bebendo muito, mas ainda assim eu sobrevivi.”

    E desde então, Lacrimosa tem feito muito mais do que sobreviver, esculpindo uma carreira que esta se aproximando rapidamente da marca de duas décadas. Durante esse tempo eles escreveram 10 albums, nunca fazendo mais do que de dois anos entre cada um até a lacuna de quatro anos entre 2005 Lichtgestalt e 2009 Sehnsucht, seu estilo musical reúne o glamour do gothic até o symphonic do rock ao metal, fazendo muitos elementos eletrônicos ao longo do caminho. Eles viajam pelo mundo, e geram vários fan clubs da America do Sul até a Europa e Asia, e se reúnem em encontros com seus fans após o show. Dado o medo inicial de Tilo as multidões, isso pode parecer um pouco estranho. Mas não foi Tilo que teve algum tipo de fobia a fans nos primeiros dias. Ele sempre quis tocar ao vivo, e desde que ele fez a escolha para conseguir acabar com seu medo, os shows ao vivo passaram a ser a sua parte favorita da experiência com Lacrimosa.

    “Agora isso é uma de minhas grandes felicidades. Eu sempre quis falar com essas pessoas pois eles compartilham muito comigo então eu também quero compartilhar algo com as pessoas. A segunda rasão pela qual eu comecei Lacrimosa é que eu não teria futuro se eu não fosse para o palco. Eu precisava pular essa montanha em algum espaço vazio onde eu não saberia onde acabaria porque eu não tenho ideia o que seria se eu não pudesse estar no palco.”

    isso não quer dizer que o homem tenha superado completamente o seu sentimento de nervosismo que surgem quando ele sobre ao palco com Anne e sua banda. Na verdade, ele encontrou a sua própria maneira de lidar com o fato de ser encarado quase todas as noites. Ele simplesmente fecha os seus olhos.

    “Eu sou uma pessoa bastante tímida e as vezes eu não quero ser assistido. Sempre que eu fecho os meus olhos, eu estou lá como uma pequena criança, como quem (coloca as suas mãos sobre os seus olhos ) ‘Ninguém pode me ver!’ Claro que eu sei que tem pessoas lá, mas eu fecho os meus olhos e penso, ‘Eu não me importo, apenas não me importo.’”

    Agora Tilo tinha se forçado a se sentir confortável quanto faz sua performance. E assistindo a ele hoje, não tem indícios de constrangimento em seus movimentos ele chegou a incorporar movimentos teatrais de mãos e dançar na rotina de sua performance. Entre os versos, o cantor pode até ser visto cantando as batidas da bateria e balançando os braços como um cruzamento entre um maestro de orquestra e o palhaço triste do logo da banda . A dança surgiu quase como uma necessidade para Tilo.

    “Quando eu sai do palco, a primeira vez eu percebi que as músicas eram bem longas se você está no palco e não tem nada para cantar, então, o que eu devo fazer? Eu não posso ficar por perto, então comecei a dançar. Foi assim que se desenvolveu. No começo eu pensei que deveria parecer totalmente tolo, então eu apenas fechei meus olhos e apenas fiz o que parecia certo. Agora eu não penso em nada, apenas faço o que quero. Eu apenas danço e escuto a música assim como faço em casa.”

    E foi em casa, nos clubes góticos de sua cidade natal Frankfurt, Alemanha, que Tilo começou a colocar as diferentes peças musicas juntas como em um quebra-cabeças sempre em evolução o que é hoje o som imprevisível e experimental de Lacrimosa. Para ele, tudo se resume naquele velho clichê: Se você quer algo bem feito, faça você mesmo.

    “Quando eu costumava ir em clubes góticos nos anos oitenta eu sempre costumava pedir para tocar Guns ‘n’ Roses e os caras eram como, ‘Você esta louco?’ E eu dizia, ‘Eu não me importo, eu gosto dessa banda.’ Eu apenas queria combinar estilos musicais diferentes que eu gostava e eu nunca encontrei nenhuma banda que realmente fizesse isso, se eram bandas de metal, gothic ou electro. Então eu pensei que teria que fazer isso sozinho, eu apenas tentei juntar todas as peças.”

    O que é realmente interessante em seus estágios mais nascentes, Lacrimosa começou como um projeto musical sem qualquer musica realmente. Um processo que permanece inalterado até hoje, as musicas de Tilo em sua adolescência, começou com passagens escritas desafinadas, na qual a música foi escrita mais tarde.

    “Quando eu comecei com Lacrimosa não foi porque eu queria ser um RockStar ou qualquer coisa assim. Eu queria ter outra dimensão em torno das letras que eu escrevia desde…eu não consigo lembrar. Eu sempre estou escrevendo meus pensamentos. Mas cheguei ao ponto em que percebi que apenas isso não era mais suficiente. Eu queria tocar alguma coisa para minha namorada. Tudo começou por um motivo simples, apenas isso. Fora disso, evoluiu e se tornou uma banda. Então eu continuei, eu não queria cortar as raízes. Esse foi o começo—O porque eu fiz isso. Por que eu deveria mudar isso? Essa foi a ideia principal. É por isso que eu ainda faço. É maravilhoso assim, porque é como escrever uma partitura de um filme. As palavras são o filme, são as imagens em minha cabeça, e eu apenas preciso escrever a musica em torno disso.”

    Em 1991, seguindo o lançamento da demo intitulada de Clamor do ano anterior, foi a hora de gravar o primeiro álbum de Lacrimosa, Angst. Wolff aprendeu rapidamente que ele não era o tipo de pessoa que gostava de ter os termos ditados a ele, e decidiu desde o inicio que D.I.Y (Do it Yourself – Faça vocês mesmo) era o seu caminho. Então ele fundou seu próprio selo, Hall of Sermon, que foi fundado inicialmente simplesmente para liberar os álbuns de Lacrimosa, mas desde então se expandiu para incluir sua própria lista de artistas gothic e darkwave.

    “Quando eu gravei a minha primeira Demo tape eu a enviei para algumas gravadoras, e eles me responderam com alguns contratos como, ‘Nós escolhemos as músicas, Nós escolhemos as capas’ e tudo.… E eu estava tipo, isso não pode ser. Então eu fiz o meu próprio selo. O único problema foi que eu não tinha ideia do que uma gravadora fazia. Então eu levei um ano para descobrir o que eu deveria fazer para lançar um álbum e a razão era ser independente e tomar as minhas próprias decisões sobre tudo I do. Ninguém iria me dizer o que eu devo fazer.”

    Então em 1993, o projeto musical de Tilo seria transformado em um dueto com a adição de uma mulher que se tornaria sua co-compositora musical. O mundo da música esta repleto de cadáveres de bandas que se desfizeram devido a conflitos internos e em um certo contexto a falta de respeito entre membros. Porem Tilo e Anne que estão por trás de Lacrimosa, de acordo com Tilo nunca tiveram esse tipo de problemas ao escrever musica.

    “É um processo de respeito. Se ela faz algo que eu não entendo eu pergunto a ela, mas eu nunca diria (Eu não quero isso.)” Eu pergunto a ela, e se ela não consegue explicar isso para mim então eu a digo, (Então, por favor, escreva para que eu possa entender.) e vice-versa.”

    O fato de que os dois tendem a se manter, pelo menos no lado musical das coisas, enquanto escrevem, provavelmente também fazem maravilhas para a longevidade não só de sua relação, mas de sua união musical também.

    “No final nós nos reunimos, mas atualmente nós estamos trabalhando um pouco separados o que é importante porque nós dois devemos refletir sobre os nossos próprios sentimentos e não tentar agradar um ao outro. Apesar de sermos uma banda isso é muito importante para se manter focado no que a outra pessoa quer fazer.”

    Durante todo o curso de sua colaboração, Tilo e Anne sempre abraçaram o lado sombrio da música e embora os primeiros álbuns solos de Tilo fossem definitivamente mais sombrios, a beleza se desenvolveu por trás do véu da escuridão e focar na inflexibilidade é ver somente metade da imagem. Como Tilo aponta, embora possa surpreender muitos que ouve sua música pela primeira vez, ele nunca foi uma pessoa de se jogar no pessimismo e até descreveu a escrita de sua música como a única vez em que ele pode estar cem por cento aberto. Como um caso em questão, o tema do álbum mais recente de Lacrimosa está despertando do como e do desespero.

    “Eu sempre fui uma pessoa muito otimista. Caso contrário, eu já teria me matado há muitos anos atrás. O que eu estou tentando fazer é encarar o lado sombrio de minha própria personalidade, a fim de obter força disso Eu acho que é uma fraqueza você tentar esconder as coisas e não ter coragem para suportar isso. Eu estou tentando suportar isso e tirar forças disso. Quando eu era mais novo e estava fazendo os meus primeiros álbuns, eu ainda não sabia disso. Eu estava de luto. E quanto mais eu envelheço eu percebo que nesta dor existem duas possibilidades; você se afogar ou tirar força dessa situação e eu escolhi a segunda. É por isso que na música eu estou sempre tentando procurar a luz”

    E que missão angustiada pela luz se transformou Tilo. Além de cuidar da Hall of Sermon, compor música e escrever letras para Lacrimosa, e turnê para cada álbum, Tilo também se envolveu no designer e obra de arte de cada álbum. Assumir tantas responsabilidades leva a um sentimento perpétuo de ser subjugado. Ele faz uma pausa eventualmente, ele diz, é só uma questão de encontrar um momento livre para fazer isso, de modo que isso prova que é mais fácil falar do que fazer.

    “Faz anos que eu estou como, eu preciso de uma pausa, eu preciso descansar. Mas eu simplesmente não faço. Por exemplo, agora mesmo, atualmente eu quero descansar após essa turnê porque é uma turnê bastante longa. Mas eu não encontrei tempo porque a organização da turnê levou um longo tempo. Mas eu estou tão exausto após produzir o novo álbum. Então quero dizer, entre as duas turnês costumamos fazemos algumas folgas, o que é impossível agora pois eu estou muito longe a tanto tempo, tenho muito o que fazer. Então eu estou considerando a segunda parte, a parte europeia, como as minhas férias. É sempre assim. Mas eu preciso descasar um dia antes que eu caia”

    Tilo também fundou um projeto alternativo, Snakeskin, que começou em 2004. O som tem uma grande diferença de Lacrimosa, possuindo uma vibração dark, electro-opera. Snakeskin começou como um projeto solo de estúdio livre de pressão, mas com dois álbuns já lançados sob a bandeira de Snakeskin, Wolff tornou-se vítima de seu próprio sucesso.

    “Na verdade, isso é uma espécie de férias. Eu posso fazer algo sem pressão. Eu queria sair e fazer algo totalmente diferente. Agora se tornou tão bem-sucedido que todo mundo está me perguntando (Quando vira um novo álbum?). Eu não sei como isso vai continuar. Continuará é claro. Eu amo esse projeto. Mas eu não sei quando e como.”

    Por um momento, O foco de Wolff está diretamente em Lacrimosa. A banda está no meio do ciclo de turnês para Sehnsucht, mas Wolff já está antecipando ansiosamente para onde a jornada musical de Lacrimosa desviará. Ao longo da carreira da banda os álbuns têm seguido um padrão único de trilogias não planejadas, em que três álbuns foram de certo modo, fundidos juntos tematicamente e musicalmente, de acordo com Wolff. Se Lacrimosa se mantêm fiel a forma, e todas as indicações de Wolff o que isso significa que Sehnsucht é apenas o começo de mais uma dessas trilogias.

    “Quando eu olho para trás sobre a história de Lacrimosa há sempre três álbuns que estão juntos. Agora eu sinto que com esse novo álbum, é um novo capítulo, e é um novo capítulo enorme. Eu sinto que Lacrimosa renasce com esse novo álbum. Eu sinto uma nova forma de Lacrimosa. Eu estou muito animado para ver como a história vai se desenvolver com esse próximo álbum nessa sessão de três álbuns. Eu acho ié como um renascer para Lacrimosa.”

Visualizando 1 post (de 1 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.