Home Fóruns Lacrimosa e notícias 2006 – Tilo – DarkSide por Natalie Khorina "Lynx"

Este tópico contém resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  Lacrimaniacos Fã Clube 4 meses, 3 semanas atrás.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #752

    Data: 19 de Junho de 2006
    Tradução: Karina B. Pinotti
    Fonte: DarkSide

    Criatura De Luz

    Os jornalistas são frequentemente acusados de exagerar as vantagens de uma determinada banda ou álbum por conhecer os músicos pessoalmente. Esse pode ser um caso bastante frequênte, mas não porque queremos agradar alguém, é apenas porque a sua percepção da música é involuntariamente alterada ao conhecer a pessoa que criou essa música. Foi assim mesmo com Tilo Wolff, o cantor, compositor e mentor do ícone gótico suíço Lacrimosa – apesar de nos oferecerem uma conversa de 10 minutos com o Maestro pouco antes de a banda subir ao palco do DK Gorbunova de Moscou pela segunda vez. , o efeito de encontrá-lo pessoalmente e falar com ele era imensamente forte. Você simplesmente não pode falar com Tilo e não ficar impressionado com o que ele está dizendo e ainda mais com o que está sendo dito. Mas vamos parar os elogios aqui – leia a entrevista e julgue por si mesmos …

    – Minha primeira pergunta é, claro, sobre Moscou. Você tocou seu primeiro show aqui há um ano. Quanto você gostou da cidade e do show? Eu lembro que você disse antes de sair do palco que era um show muito louco …
    Tilo – (risos) Em primeiro lugar, devo dizer que foi realmente um grande prazer, porque o público era muito caloroso e eles nos receberam de uma maneira muito intensa. Durante todo o concerto senti uma atmosfera muito boa. E quando eu disse “louco”, foi porque… quero dizer, agora as portas estão abertas há cerca de 10 minutos, e eles já estão gritando e gritando. Eu acho ótimo, e nem todo país é assim.

    – Seu último álbum “Lichtgestalt” foi dedicado ao amor e seu lugar em sua vida. Mas o amor é um tema que muitas vezes é mal utilizado pelos artistas e incompreendido pelo público. Já faz um ano desde que o álbum foi lançado – você acha que os fãs receberam a mensagem do álbum?
    Tilo – É sempre difícil dizer. Primeiro de tudo, eu não tenho a possibilidade de falar com cada um e com todos. Em segundo lugar, todo mundo tem sua própria interpretação de alguma coisa. Eu acho que também é bom, e é importante, porque música é música não é como matemática, onde há apenas uma conclusão. Todo mundo realmente deveria interpretar a música e as letras da maneira que ela quer, tirar da música os sentimentos que quiser, ela deveria ter essa estrutura através do seu próprio coração. Eu acho que um artista só pode mostrar uma direção, mas todo mundo que está ouvindo a música ou lendo o livro ou o que quer que seja, tem que ir por este caminho sozinho.

    – Você usou a letra da Bíblia Sagrada na última faixa do álbum – “Hohelied Der Liebe”. Qual foi o propósito de fazer isso? Você acredita que ninguém pode falar melhor sobre o amor do que a Bíblia?
    Tilo – Existem muitas razões. Primeiro de tudo, eu acredito em Deus, e a Bíblia significa muito para mim. E eu pensei: eu tenho escrito muitas letras sobre o amor, e Deus é amor, então por que não tirar as palavras sobre o amor de seu espírito, que estão escritas na Bíblia? Por que não tomar o que o próprio Deus diz sobre o amor? E essa foi a razão pela qual eu pensei: se eu realmente quero chegar ao ponto, tenho que me afastar e deixar Deus falar.

    – É possível descrever o amor em poucas palavras ou em poucas frases? Claro, você tem um álbum inteiro sobre isso, mas se alguém lhe perguntar: “O que é amor?”, O que você dirá?
    Tilo – O amor é a força mais poderosa que temos neste planeta. Sem amor, acho que os seres humanos não iriam conseguir sobreviver.

    – No ano passado você lançou o EP “Lichtgestalten”, que você descreve como um epílogo do álbum completo. Por que você decidiu dividir o material em duas partes? Por que não colocar essas três faixas extras no CD completo?
    Tilo – O álbum é na verdade uma história e você não precisa necessariamente ouvir as músicas do EP. Mas se você quiser ir mais fundo, pode obter o EP, mas não precisa entender o tema. É como se você contasse uma história, a certa altura a cortina cai, e você tem a possibilidade de abrir a cortina mais uma vez e olhar nos bastidores, por assim dizer. Eu gosto dos álbuns que são fechados, por assim dizer, eu não gosto dos álbuns com 15 músicas e faixas bônus em cima deles. No final, é apenas uma coleção de músicas, não uma obra de arte.

    – A música mais surpreendente no EP é “Road To Pain”, que é a música mais agressiva do Lacrimosa de todos os tempos. Existe alguma história por trás dessa faixa? Quero dizer, você raramente escreve músicas assim…
    Tilo – Claro, há uma história por trás de cada música, mas eu não falo sobre isso. Se eu, por exemplo, explicasse agora por que escrevi essa música, alguém diria: “Bem, eu estive ouvindo essa música e tive uma ideia diferente do que é na minha história e de todas as coisas que me conectam com ela, e agora a pessoa que escreveu essa música diz coisas totalmente diferentes. ”Então eu destruiria a imaginação de sua alma e seus sentimentos. Por outro lado, eu não falo sobre isso porque minha música e minhas letras são muito pessoais. Elas sempre refletem minha vida privada, e eu não quero falar sobre minha vida pessoal, apenas nas letras.

    – Nesta música você faz a pergunta: “Por que a beleza leva à dor?” Você pessoalmente tem alguma resposta para isso?
    Tilo – Bem, se eu tivesse uma resposta, não teria feito a pergunta. E é realmente assim – toda a beleza leva à dor … Bem, nem toda a beleza leva à dor, mas a dor só surge da beleza. Não me refiro apenas à aparência da pessoa, mas também à beleza do interior, à beleza do amor, à beleza dos sentimentos puros. Tudo o que realmente pode e muitas vezes leva à dor.

    – A capa do EP foi feita por Joachim Luetke. Como você conheceu ele e como trabalhar com Joachim difere de trabalhar com seu pintor regular, Stelio Diamantopoulos?
    Tilo – Stelio ainda pinta nossas capas, nada mudou para o último álbum. Joachim acabou de fazer o livreto. E com o EP é o mesmo que com singles – sempre temos capas diferentes. Nossos álbuns sempre têm capas pintadas, e sempre será assim, enquanto singles ou EPs podem ter fotos ou colagens nas capas. Conheci Joachim através da Mille da Kreator, que é um bom amigo meu. Eu acho que foi Mille quem sugeriu Joachim, e Joachim fez o trabalho para o EP e para o DVD “Muzikkurzfilme”.

    – Como você escolhe membros da sua banda ao vivo? Tanto quanto eu entendo, o trabalho deles é muito difícil, porque no estúdio você pode escolher um baterista de jazz para uma música de jazz e um baterista de metal para uma música de metal, mas ao vivo tem que ser a mesma pessoa …
    Tilo – Se você subir ao palco com o Lacrimosa, você tem que ser um músico muito bom, senão não funciona. Eu escolho os músicos dependendo de quão flexíveis eles são. Se eles conseguem entender a música, e se são bons músicos, eles podem se transformar no que eles deveriam tocar. Por outro lado, é claro que às vezes trocamos de musicas. Nós tocamos “Copycat” um pouco diferente agora do que fizemos com o baterista que tínhamos antes. É uma combinação de mudar os arranjos um pouco e ter os músicos que são muito bons em sua técnica e compreensão, para que eles possam fazer tudo. (risos)

    – Quais são as qualidades humanas que você mais valoriza nas pessoas ao seu redor?
    Tilo – Lealdade e honestidade. É muito importante para mim que uma pessoa seja honesta. Eu não posso ter nenhum respeito e eu não posso nem considerar uma pessoa tão bonita ou como alguém com quem eu gostaria de passar tempo se eu sei que essa pessoa está mentindo, se ela não é honesta consigo mesma e com os outros, neste caso eu. Então honestidade e lealdade são as coisas mais importantes.

    – Você diz que está sempre satisfeito com os álbuns que você lança. Mas há algo que você ainda quer melhorar no próximo CD?
    Tilo – Na verdade não. Meu objetivo é sempre obter o contato mais direto entre meus sentimentos e a música, transportar os sentimentos do meu coração e da minha alma para a música. Eu não tenho o objetivo de fazer o melhor álbum de todos os tempos ou qualquer outra coisa, eu só quero ter o álbum em minhas mãos, ouvi-lo e ser capaz de cair nessa música e me divertir. Nesse sentido eu sou um pouco egoísta, eu faço música primeiro para mim mesmo.

    “Agradecimentos especiais a Alexei “KIDd” Kuzovlev (Irond) por organizar esta entrevista
    Entrevista de Natalie “Lynx” Khorina
    Perguntas também fornecidas por Roman “Maniac” Patrashov
    19 de junho de 2006”

Visualizando 1 post (de 1 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.