Do Fã Clube da Rússia, para o Fã Clube Brasileiro:

Entrevista para o LacrimosaFAN.ru №8, 10.08.2017
TESTIMONIUM / SNAKESKIN III / BLEIB

 

Esta entrevista também é um pequeno experimento. Além das perguntas dos fãs russos, oferecemos aos nossos amigos da América Latina e da China a oportunidade de fazer suas perguntas sobre o novo álbum e não só isso: o amor que sentimos pela música do Lacrimosa nos ajudou a nos conhecer, e esperamos que a nossa companhia seja longa e frutífera; e essa entrevista se tornará mais um passo para fortalecer a amizade entre nossas sociedades de fãs.

 

TW: Queridos amigos na Rússia, Peru, Chile, Brasil, México e China e todos os que participaram desta entrevista: obrigado por passarem algum tempo precioso com o Lacrimosa!

 

Fã clube do Lacrimosa no Peru – pergunta feita por Vanessa Ramirez:

1. Que tópico mais inspirou você e teve influência musical no novo álbum?
TW: A morte desses amados músicos como David Bowie, Prince, Leonard Cohen e muitos outros. Esta foi a inspiração básica para este álbum, bem como a palestra de certos escritores que eu estava lendo ultimamente. A partir disso, o álbum inteiro se desenvolveu neste requiem muito pessoal, como é para ser ouvido agora.

2. Por que você usou uma imagem de si mesmo e meio crânio no processo de criação do vídeo-prévia? O que isso significa?
TW: Eu gostei dessa pergunta! Eu fiz isso porque este novo álbum lida com minhas experiências pessoais com as facetas da morte emocional e física.

Fã clube Lacrimosa AUS Chile – pergunta feita por Carolina Urrea Okuinghttons:

1. Em uma entrevista antiga para o México em 2010, quando perguntamos sobre o desenvolvimento musical do Lacrimosa, você respondeu com a analogia em que você descreveu a música como um enorme parque infantil e que não queria apenas sentar em um canto e brincar com um brinquedo, você queria brincar com todos eles. Então, em relação a esta analogia, com o que você está brincando com os “Novos brinquedos” em “Testimonium” ou o que o torna especial? E qual foi a música mais difícil para você lançar neste novo álbum?

TW: Um dos novos brinquedos para mim, pessoalmente, ainda é a guitarra, pois este é o instrumento mais recente que eu comecei a tocar. Agora, neste novo álbum, cerca de metade dos títulos em que eu toquei, o que é muito novo dentro do Lacrimosa. Por outro lado, eu sempre adoro trabalhar com uma orquestra e trabalhar com bateristas, guitarristas e computadores. Combinar tudo isso é o trabalho mais maravilhoso!

2. Como sabemos que os artistas colocam muitos de si durante a criação musical, gostaríamos de saber quais músicas desse novo álbum você se identificou?

TW: Com todos eles porque cada música é como um registro no diário, uma parte de mim, do que eu sinto e do que sou. “Nach dem Sturm” tanto quanto “Weltenbrand” tanto quanto “Der leise Tod” tanto quanto “Testimonium” tanto quanto todos eles!

Fã clube Lacrimaniacos Brasil – pergunta feita por Felipe Alexandre:

1. Entre os ídolos que você honra no novo álbum, você já teve influência direta de quaisquer um deles em suas composições dos álbuns anteriores? Você pensou em gravar um cover?
TW: Não, nunca pensei em fazer um cover deles e sim, há influências, mas acho que não devem ser ouvidas porque eu meio que traduzi as influências de teses em minha própria linguagem musical, o que os torna influências pessoais que posso ouvir, mas que são para não ser ouvido por outros. Me desculpe por isso…

2. Olhando para a capa mais de longe, podemos ter a impressão do álbum Lichtgestalt de um anjo. Essa ideia é correta?
TW: Ei, muito bom: essa era exatamente a ideia. Se você olhar para o álbum mais de longe, você vê um anjo, já que a maior parte das estátuas em cemitérios são anjos. E por isso, fizemos um link para o “Lichtgestalt”, “Inferno” e também para “Satura” quando consideramos o fato de que temos uma moça como a figura principal na capa do “Testimonium” que vem em uma posição sagrada, bem no centro da imagem.

Comunidade de fãs na China – pergunta feita por Lü Sha:

1. Oi querido Tilo, já que você teve mais algumas experiências na China depois de visitar 5 vezes (e mais para vir), qual é a sua comida / prato chinês favorito de todos os tempos?

TW: Haha, é tão difícil de responder porque tive muitas experiências excelentes. Lembro-me de um pequeno restaurante itinerante em Shenzhen, onde comprei alguns crustáceos em uma massa fervida, o que foi maravilhoso! Ou uma fantástica sopa de frutos do mar com todos os tipos de ingredientes em Pequim! Ou os camarões em molho de mel da última turnê em abril ou como sempre, claro: Hot Pott! Meu prato favorito!

A última pergunta de Mozart / Miguel Xuárez do México:

1. Oi querido Tilo, parabéns pelo lançamento do novo álbum, gostaria de lhe perguntar: o que você acha da solidão e do tempo? Você vê alguma relação? Você acha que é ruim ficar sozinho demais? Esta questão é sobre um poema e uma música. Espero que você veja a referência. Saudações e abraços.

TW: Depende da pessoa e das preferências das pessoas: se alguém escolhe estar sozinho é uma enorme diferença para quem prefere não estar sozinho, mas não pode ajudar a mudar a situação! Além dissi, é a fonte da vida não estar sozinho e, enquanto essa pessoa não puder durar nessa fonte, a vida ainda não começou. Assim como em “Der leise Tod” do álbum “Testimonium”, as palavras do artista russo Victor Tsoi, desde o início desta entrevista, voltam à minha mente: “O amor vale a pena esperar!”

Muito obrigado pela entrevista!

Tradução e suporte: Tatiana Tati Ugryumova

Organização, redação e decoração: J. Munch

Agradecimentos especiais a Dominik Regner por assistência e atitude.

Lenda (Victor Tsoi)

Na rede dos ligamentos pela garganta, uma nuvem de protesto é espremida
Mas chegou a hora e não importa se você grita ou não.
Só mais tarde alguém não esquecerá por um longo tempo
Como, assombrando, os soldados limparam suas espadas na grama.

E como a tribo negra dos corvos bateu as asas
Como o céu riu e logo manteve a língua.
E a mão do sobrevivente estava tremendo
E, de repente, um momento se transformou em eternidade.

E o anoitecer queimado com a pilha de funeral
E as estrelas franziram o cenho das nuvens.
Como aqueles, que entraram na noite estavam deitados com os braços abertos
E como a vida dormia lado a lado, sem ver sonhos …

E “vida” é apenas uma palavra, só há amor e há morte
Ei! e quem cantará se todos estivessem dormindo?

Leave a Reply